ITAPEBI: ACONTECEU HOJE NO PLENÁRIO DA CÂMARA DE VEREADORES UMA PALESTRA COM REPRESENTANTE DO MISTÉRIO PUBLICO

quarta-feira, 24 de abril de 2019

/ Por: REDAÇÃO

A importância da paternidade no desenvolvimento da criança

O crescimento de uma criança apresenta fases distintas, que abrangem desde a sua capacidade cognitiva, suas emoções, sua vida escolar, a vida em sociedade, a carreira profissional, entre outros fatores.
Em todas elas, a presença e o apoio dos pais é crucial para orientá-la e deixá-la mais segura. Inclusive, há muitos estudos que apontam o contexto familiar como motivação de diversos casos de hiperatividade e depressão, por exemplo.
Isso reforça como é importante estar ciente das responsabilidades da maternidade e da paternidade, procurando sempre fazer o melhor e se dedicando ao desenvolvimento sadio dos filhos.
Erros e dificuldades acontecem? Sim, praticamente a todo o momento e ninguém está livre disso. Mas pecar pela falta de vontade, de informação de estímulos e de atenção é muito pior, concorda?
Aliás, a rejeição paterna tende a ter um peso imenso na formação da personalidade de cada filho. Ela é capaz de gerar efeitos negativos — especialmente emocionais — que, quando não tratados, podem perdurar por anos, além de gerar complicações em vários aspectos.

Como exercer a paternidade responsável?

O comprometimento e a participação ativa do pai na criação dos filhos provocam benefícios incalculáveis. Pensando nisso, listamos abaixo 5 atitudes que um bom pai deve apresentar no ambiente familiar e na sociedade. Confira:

1. Seja um bom exemplo

Lembre-se sempre de que o seu filho vai se espelhar em você. Portanto, não basta ser apenas um bom pai, é preciso ser um bom marido, um filho dedicado, um cidadão íntegro, um trabalhador honesto e responsável.
Ele precisa ver no pai um exemplo de homem digno, que busca ser uma pessoa melhor a cada dia e que lhe sirva de referência por toda a vida. Nesse sentido, as atitudes costumam ser tão importantes quanto as palavras — se não mais.
Logo, é imprescindível não se esquecer dessa missão, porque mesmo as menores práticas servem como exemplo: desde cultivar bons hábitos no dia a dia até valores como respeito, honestidade, lealdade, entre outros.

2. Encontre o equilíbrio entre amizade e autoridade

É muito bonito que pais e filhos sejam verdadeiros amigos. Porém, é necessário estabelecer alguns limites para que essa proximidade não se transforme em permissividade.
Sabe aquele pai que deixa o filho fazer tudo o que quer? Isso pode fazer com que ele se torne uma criança mimada — ou, pior, um adulto que não sabe aceitar um “não”, não sabe perder ou acha que o mundo está ao seu serviço.
Existem ainda os pais que deixam tudo para a mãe decidir, o que também não é legal, pois deixam de se posicionar e de assumir a postura de pai, inclusive não participando das tomadas de decisão.
Do outro lado da moeda, estão aqueles pais autoritários, que buscam conquistar o respeito do filho por meio de gritos e ameaças — o que também não é o melhor caminho.
As crianças precisam compreender a autoridade dos pais, mas sem que isso seja confundido com autoritarismo. É preciso impor respeito em vez do medo, explicando todas as situações para que elas entendam o que é melhor para elas.
No fim das contas, o ideal é buscar o equilíbrio, sabendo impor limites, mas também dando espaço para que o seu filho expresse seus sentimentos e opiniões.

3. Participe da vida do seu filho

De fato, o relacionamento entre pai e filho se constrói dia após dia. Alguns poucos minutos diários já podem ser suficientes para construir laços afetivos que durarão para sempre.
Portanto, além de ajudar nas pequenas tarefas cotidianas, é importante conversar com a criança e demonstrar interesse em participar da sua vida, seja ela menino ou menina. Assim é que se constrói uma relação de confiança.
Por exemplo: muitos pais só descobrem que o filho não está indo bem na escola quando chega o boletim. Ou pior: quando a criança é reprovada. Não seja assim! Pergunte como foi o seu dia e esteja sempre disposto a ouvi-lo quando ele quiser conversar sobre qualquer assunto.
E não adianta usar a velha desculpa de que falta tempo, pois você está correndo atrás de garantir o futuro do filho. Mesmo que você supra todas as suas necessidades materiais, lembre-se de que carinho, amor e atenção não estão à venda. E eles são a melhor forma de cultivar a harmonia na família.

4. Conquiste seu espaço

Devido a certas convenções sociais, alguns pais acabam ficando sem muito espaço para participar da vida dos filhos. Muitas vezes até por atitudes da própria mãe, que acredita que homens não são capazes de desempenhar tão bem as tarefas do dia a dia e acabam suprimindo a participação ativa do pai.
Isso pode acontecer até mesmo inconscientemente, por isso, é bom manter-se sempre atento. Então, se for o caso, você deve buscar conquistar esse espaço e mostrar o quanto você quer, pode e está apto a participar da rotina do seu filho.

5. Planeje o futuro

Ser um bom pai também engloba planejar o futuro do seu filho. Pensar em questões como finanças, acesso ao ensino de boa qualidade, saúde e lazer é fundamental para que os alicerces dessa estrutura comecem a ser criados desde já.
E isso deve começar a ser pensado antes mesmo que o bebê chegue ao mundo. Ainda que a sua vinda seja uma surpresa não esperada, a paternidade responsável envolve ter a consciência de todos os cuidados que serão necessários para o bem-estar da criança.
Dentre eles, não se esqueça de que cuidar de si mesmo também é essencial para que você seja um pai ativo e presente. Portanto, não deixe de lado fatores como a sua vida profissional, afetiva e a sua saúde — o que inclui não só visitas ao médico, exercícios físicos e uma boa alimentação, como também um pouco de lazer e diversão.

Nenhum comentário

Postar um comentário

Mais
© Imprensa
Itapebi Noticias Todos os direitos reservados.